Médicos e exames apontavam que pastor ficaria paralítico após acidente. Mas recuperação causou espanto

O neurocirurgião entrou na sala, examinando as imagens de ressonância magnética. Ele olhou para o pastor Steve Lebsack deitado na cama do hospital e balançou a cabeça, em seguida, estudou as imagens de ressonância magnética novamente. Um olhar perplexo cruzou o rosto do cirurgião – isso não podia estar certo, algo estava errado… incrivelmente errado! E milagroso!

A ressonância magnética mostrava ao neurocirurgião que Steve estava, ou melhor, deveria estar paralítico. O problema? Ele não estava! Nada naquela situação fazia o menor sentido para o médico.

O milagre

Na segunda-feira, 15 de janeiro, Steve, 45 anos, e seu filho Jaden, 11, junto com o amigo Gary McCoy, 44 anos, decidiram passar um tempo fazendo trilha com suas motos e quadriciclos em um parque fechado destinado ao esporte, em La Grange, Califórnia (EUA).

Steve Lebsack, um sacerdote que lidera a igreja Community Worship Center em Modesto, e Gary McCoy são vizinhos e parceiros de ministério, já que o segundo é baixista da igreja.

Quando o trio estava encerrando seu percurso, Steve atingiu uma grande rocha escondida sob a poeira. O impacto fez com que o guidão o empurrasse para a direita e o jogasse à beira de um barranco, fazendo o pastor cair de cabeça de uma altura de aproximadamente 2,15 metros.

“Eu devo ter desmaiado por um segundo ou dois, mas quando cheguei, eu imediatamente tirei o capacete porque estava cheio de terra e lama”, disse Steve. “A moto estava em cima de mim e me senti estranho da cintura para baixo. Estendi a mão e toquei minha perna esquerda, e senti como se estivesse tocando um saco de batatas mole, e eu não tinha nenhum sentimento ou força nela”, relatou o pastor.

Temendo que pudesse ficar paralisado, ele tentou mover a perna direita que estava presa debaixo da moto, mas não conseguiu. Ele usou as mãos para tirar a moto de cima de sua perna e a percebeu que não sentia nada. Pensamentos de que acabava de ficar paralisado inundaram sua mente.

“Eu deitei a minha cabeça na terra e apenas orei: ‘Jesus, eu preciso de um milagre‘”, relembrou o pastor. “Eu disse isso talvez duas vezes e, de repente, senti um formigamento nos dedos dos pés. Eu comecei a mexer os dedos dos pés. Então o formigamento foi para os meus pés, tornozelos e todo o caminho até a minha cintura – eu poderia mover minhas pernas para trás e para frente!”, contou.

Gary e Jaden o encontraram pouco depois, perto de onde a trilha margeava o aterro. Apesar de perceberem que Steve havia machucado suas costas, eles não perceberam o quão milagroso era ver que ele era capaz de mover as pernas, muito menos ficar de pé.

“Quando eu estava deitado lá, e a sensação voltou às minhas pernas, eu senti o Espírito Santo me dizendo que o que Ele me deu, Ele não ia tirar, a cura era minha. E é por isso que fiz tudo o que fiz”, acrescentou Steve.

De acordo com a sabedoria convencional, quando alguém sofre uma lesão na coluna, o movimento não é apenas perigoso, pode ser mortal. Lebsack levantou-se e conduziu o veículo de quatro rodas com gary até a picape, e sentou-se no banco do passageiro durante uma hora, curvado e com os pés no painel para aliviar a dor crescente nas costas.

Quando chegaram ao consultório do médico com quem Steve sempre se consulta, ele decidiu imediatamente mandar o pastor para o pronto-socorro. Uma vastidão de coisas poderia ter acontecido naquela viagem que poderia levá-lo à incapacidade permanente ou morte, mas o pastor confiou na promessa que Deus o deu.

No pronto-socorro, Steve fez três ressonâncias magnéticas e três tomografias foram realizadas. O neurocirurgião entrou com os exames, não compreendendo completamente o que estava vendo. Ele explicou que quando as vértebras são comprimidas e esmagadas como havia acontecido com ele, e quando uma vértebra quebrada sobe no nervo, como no caso de Steve, não havia dúvida – essa pessoa estaria paralisada.

O neurocirurgião não conseguia explicar porque Steve não estava paralítico: “Ele me disse que eu era uma pessoa de sorte”, disse. “Eu o corrigi e disse: ‘Não, sou uma pessoa abençoada’ e contei a ele o que aconteceu quando orei”.

Apesar do uso de suas pernas serem restauradas, o neurocirurgião explicou a Steve e sua esposa, Cristie, que eles ainda teriam que fundir quatro de suas vértebras com hastes de titânio e parafusos – uma cirurgia de seis horas para inserir os “pinos” e restaurar o tecido muscular.

O milagre – parte II

Deus continuou a fazer milagres no corpo do pastor Steve Lebsack, pois sua recuperação após a cirurgia progrediu muito mais rápido do que o esperado e ele precisou de menos analgésicos do que o previsto.

Mas em uma família, uma lesão debilitante e uma cirurgia não afetam apenas os feridos. Cristie, cuja vida já andava bem ocupada por ser co-pastora e líder de adoração na igreja, trabalhando em seu próprio negócio de saúde e bem-estar durante a semana e cuidando de seus dois filhos, Jaden e Maci, 14, e cuidando de inúmeros outros lares e tarefas, agora também havia tornado-se zeladora de tempo integral de Steve como era preciso, com cuidado constante até que os músculos estivessem curados da cirurgia. Ele precisava de ajuda em tudo – deitar e levantar da cama, usar o banheiro, tomar banho, escovar os dentes, vestir-se, comer -, tudo .

“Tem sido difícil – a coisa mais difícil da minha vida”, admitiu Cristie. “Isso muda sua perspectiva sobre o que realmente importa. As crianças foram impactadas, assim como nossa família, nossa casa e nossa igreja foram afetadas”, acrescentou.

Enquanto Cristie enfrentava a difícil tarefa de cuidar de Steve, sabendo que sua condição era frágil, Deus respondeu suas lágrimas, medos, orações e pedidos por Sua ajuda.

Como diz Gary McCoy, a igreja – que tem em média apenas 50 frequentadores aos domingos – intensificou-se de uma maneira incrível – até mesmo além de suas esperanças. As refeições eram fornecidas, o trabalho no quintal era feito, a limpeza era feita, os passeios eram fornecidos e muitas necessidades eram satisfeitas enquanto a família da igreja se reunia em torno do pastor e da família dele.

Era exatamente o que Cristie precisava quando ela admitia que a única maneira de sobreviver era o conceito “um dia de cada vez”. Ela também credita sua sogra por fazer parte das orações respondidas.

Mas mesmo nas horas mais sombrias da família do pastor, a igreja foi inspirada por sua fé e dependência de Deus. “Você tem que entender, eles são um casal incrível”, afirmou Gary McCoy. “Eles são o tipo de pessoa que estar perto deles faz você querer ser uma pessoa melhor”, acrescentou o baixista.

O milagre – parte III

Embora Steve ainda esteja em processo de recuperação, ele conseguiu remover o colar de pescoço depois de apenas um mês, ao invés dos três meses da previsão inicial, e sua órtese saiu depois de apenas dois meses, em vez do prazo original de três a seis meses.

Steve também compartilhou seu testemunho milagroso inúmeras vezes com médicos, enfermeiros, seu colega de quarto no hospital e a família e convidados de seu colega de quarto, e onde quer que ele vá, planta sementes de fé na vida de qualquer um que lhe proporcione uma oportunidade de compartilhar, segundo informações do portal AG News.

Mas não são apenas os estranhos que foram abençoados. Através de toda essa experiência, a família da igreja, incluindo a família Lebsack, experimentou um despertar para a urgência da mensagem do Evangelho e um sensação de que Deus estava preparando-os para algo especial.

“Ainda estamos vendo o que Deus vai trazer por meio disso [na igreja], já que Steve está de volta pregando há cerca de duas semanas”, afirmou Gary. “Mas você pode sentir isso – não é mais como sempre, é hora de se mexer e deixar o Espírito começar – muitas pessoas na igreja estão empolgadas com isso”. E parece que Deus está pronto para recompensar essa empolgação – ainda mais!